• Howth

    Howth e Croagh Patrick

    estava tentando, mas havia uma força contraria inexplicável muito forte me bloqueado para voltar a trabalhar… hahaha =P
    Segunda-feira chega, e Triona uma amiga irlandesa, me convida para ir subir o Croagh Patrick, a conhecida montanha sagrada da Irlanda e mesmo que racionalmente eu sabia que não deveria, eu não podia recusar haha…

  • Mount Elbrus

    Escalando o Mount Elbrus!!!

    Depois das 31hras de trem cruzando a Rússia de norte a sul, 2 horas de Van e tudo isso sem saber mais do que 5 palavras em Russo, chego em Terskol aos 2100m. Vilarejo mais próximo do Mount Elbrus. A escalada parecia ter se tornado fácil, agora era só uma montanha a ser escalada.

  • Rússia

    Rússia, uma verdadeira aventura!!!

    Após 6 horas de ônibus saindo de Tallinn, capital da Estônia com direito a ônibus tendo que ser empurrado para pegar no tranco, atravesso a fronteira onde já é possível perceber claramente a diferença. Sem ninguém falar uma palavra em inglês a partir dali, chego finalmente em São Petersburgo, Rússia!!!

Passagem comprada, mas ainda sem nenhuma informação sobre o meu visto.

Correria o risco de embarcar para a Lituânia e na volta não me deixarem entrar na Irlanda :/

E foi assim que segui até dois dias antes de embarcar. Finalmente alguém havia alguma informação no departamento da imigração. Mesmo não estudando, iria continuar com o visto =D uhuuuuuuuuu…. era isso que eu precisava… Praticamente um novo “Working Holiday” mas agora pela Irlanda… hahaha…

Se sentindo 10kg mais leve, finalmente embarco para os países báltico (Lituânia, Letônia e Estônia), começando por Vilnius, capital da Lituânia. País que nunca nem imaginava em visitar. Mas dividindo o apartamento com duas meninas de lá e ouvindo elas falaram de como chato era a Lituânia isso só me fez ficar ainda mais curioso e decidir ir ver com meus próprios olhos… haha…

Desembarcando no aeroporto já gostei no primeiro instante =D Continuava Europa, mas parecia que havia passado por algum um portal na Europa. Continue Lendo.

Já mais de dois meses atrasado, mas melhor tarde do que nunca finalmente vamos dar continuidade a vida na Irlanda e meus dias em Dublin Haha… e como nesse período já aconteceu bastante coisa e para que não atrase ainda mais, vou tentar resumir mais ou menos até os dias de hoje e ai sim volto a manter todos atualizados ao vivo e a cores, okeyyy!?? =)

Então vamos lá……

Voltamos para Abril de 2015. Acabo de me mudar para meu novo apartamento em Dublin. Divido quarto com Lucho, o Uruguaio.
Tudo ia bem… Continue Lendo.

Saint Patrick’s Day!!! E como muita gente acredita, o carnaval na Irlanda!!! =)

OK, mas antes de continuar, vamos deixar claro… Carnaval é brasileiro, não mata, não engorda e não faz mau… hau hau hau =P (hahahaha) Piadinhas abobadas a parte, realmente se tentarmos comparar com o carnaval no Brasil é uma grande injustiça. Em pleno inverno na Europa e com leis que proíbem o consumo de bebidas alcoólicas nas ruas, fica difícil de “foliar” hahahaha… Mas no final das contas não deixa de ser bastante divertido.

Diferente do que tinha ouvido falar, não, não é uma semana inteira de festa, mas sim, durante uma semana inteira Dublin fica superlotado de turistas da Europa inteira.

Mas é no dia 17 de março, Saint Patrick’s Day que os “Leprechauns” (Gnomos) saem as ruas. Todos vestidos de verdes, rostos pintados e barbas ruivas. Continue Lendo.

Já estou a mais de um mês em terras irlandesas e nada de escrever por aqui. Estava esperando alguma grande aventura ou alguma incrível historia para iniciar aqui, mas desculpe pessoal, mais já se passou mais de um ano que voltei de viagem e perdi a pratica. Perdi a prática na escrita, perdi a prática nas aventuras, perdi a prática na rápida adaptação de uma viagem.

Diferente da primeira vez, quando estamos famintos e tudo era novidade, tudo era uma aventura, tudo era uma loucura. Dessa vez cheguei com a bagagem cheia.

Sabe quando sua mãe te proíbe de comer a sobremesa antes do jantar!?? Continue lendo.

Se passaram dois anos… Há dois anos que parti para a aventura de meus sonhos. Sonho que não sabia descrever qual era.

Talvez antes do meu embarque iria responder: me aventurar por ai… enfrentar o desconhecido… encontrar o “próprio eu”…

Mas nada disso realmente era o que descrevia o que realmente estava buscando. A resposta veio logo nos primeiros segundos após o embarque. Me vendo sozinho, a caminho do outro lado do mundo, sem nada e ninguém para ter como referencia. Era como uma criança renascendo onde seria livre para reaprender a viver como achasse que deveria viver. Reaprendendo a me comunicar, sentindo a natureza, seguindo o tempo pelo sol e a lua, comendo quando sentisse fome, dormindo quando sentisse sono. Trabalhando quando precisasse de dinheiro e precisando de dinheiro, quando realmente precisava de dinheiro.

Continue lendo.